Director: Gilberto Eduardo, Director-adjunto: Naiene Cauchy

JOGABET

“Estas batatas são 10 quilos, mesmo!”

Por: Nuno Águas

A batata de Vilankulo é admirada, não somente pelos grandes comerciantes, mas, também, pelos pequenos revendedores, aqueles que compram em pequenas quantidades para revendê-la, em fracções, em bancas montadas nas respectivas residências ou nos mercados.

Verónica Fumo, 60, residente do bairro Zona Verde, no Município da Matola, faz parte desse grupo de clientes. Acaba de adquirir dois sacos da batata, no Zimpeto, ao preço de 280 meticais cada. Diz-se feliz porque o preço pelo que compra satisfaz as suas expectativas pós-venda.

“Prefiro as batatas de Vilankulo porque são grandes, o preço é muito bom e são fáceis de comercializar. Não demoram acabar. Aquelas de 300 e 320 diminuem, trocam as maiores pelas mais pequeninas e, ainda assim, continuam caras. Mas, estas não. Não diminuem. São vendidas tal como foram empacotadas. São 10 quilos, mesmo”, revela.

Para esta cliente, não só o preço influencia as suas preferências pelo produto. Há outros factores que considera fundamentais, como o aspecto.

“Esta batata é limpa, sem manchas e nem aparecem podres. As pessoas gostam, compram muito, eu mesma gosto, porque são muito saborosas”, afirma a nossa entrevistada, para quem comprar e revender “esta batata de saco amarelo ajuda bastante, porque dá lucro com muita rapidez, por causa da saída que tem, os meus clientes preferem esta batata”.

A sua banca, em casa, está sem a batata do “saco amarelo”, o que a motivou a ir ao mercado do Zimpeto à busca de um novo stock.

Adquirida a mercadoria, dona Verónica galga o seu caminho, com os dois sacos de batata à cabeça e, com urgência de chegar à casa, apressa-se, antes que os habituais clientes notem a sua ausência, principalmente a falta das “batatas do saco amarelo”, porque, quando aparecem, perguntam: “Estas batatas são as do saco amarelo?”.

Batata-reno é apenas um do vasto rol de produtos da província de Inhambane comercializados em grandes quantidades nos mercados da capital moçambicana. Destacam-se, também, o coco, citrinos, farinha de mandioca, entre outros produtos.

Comentários