Director: Gilberto Eduardo, Director-adjunto: Naiene Cauchy

JOGABET

Tunzine quer uma smart city em Vilankulo que se prepara para acolher grandes eventos

Gilberto Guibunda

Fotos de Stélio Guirrute

Com uma população de 70 mil habitantes, nove bairros e duas localidades administrativas a embrionária cidade de Vilankulo está nos olhos do mundo, não apenas pela componente turística de que é referência obrigatória, mas porque vai acolher a segunda edição do “Crescendo Azul”, já no próximo mês de Novembro, e em Outubro de 2022, o Campeonato das Nações Africanas em Futebol de Praia.

São dois imponentes eventos que premeditaram o INHAMBANENSE a uma entrevista com o jovem e visionário edil, William Tunzine, quem deixa a imagem real da sua cidade. A dois anos de completar o primeiro quinquénio como presidente do município, o engenheiro não se esconde atrás dos desafios ainda visíveis nos bairros municipais, apresenta ideias sólidas para fazer de Vilankulo a idelizada Smart City.

– Em quantos por cento está executado o seu manifesto eleitoral, considerando que está a dois anos de terminar o quinquénio?

– O nosso Plano Quinquenal Municipal de Vilankulo, até ao mês de Agosto andava a 80 por cento de execução, seguindo o nosso manifesto eleitoral. Com muitos desafios, é verdade, nós acreditamos que com os parceiros e amigos que temos e que estão sempre disponíveis a trabalhar com o município de Vilankulo, acreditamos que até 2023 estaremos em altura de dizer que cumprimos cabalmente com aquilo que é o nosso plano. Apesar das adversidades inerentes da Covid-19 e da crise económica mundial que todo o mundo enfrenta, incluindo o nosso país – nós temos vindo a ser sufocados pela crise há mais de cinco anos, e Vilankulo não foge a isto porque não é uma ilha isolada – vamos ter que fazer isto, ou seja, de não depender apenas das transferências correntes do Estado, e sim também através de parceiros e amigos de Vilankulo para vermos se conseguimos materializar muitos dos nossos objectivos neste mandato.

É fácil perceber que cada um dos nove bairros municipais as dificuldades são específicas, havendo aquelas que são comuns, como seja, vias de acesso, iluminação, sistema de abastecimento de água, etc…

– Os grandes desafios são comuns. Dependendo dos bairros, há esta variação percentual em cada um deles. O que nós, de facto, queremos fazer com a nossa cidade para minimizar, ou seja, resolver algumas dificuldades que se verificam, a primeira coisa que estamos a fazer é requalificação dos bairros. Já estamos a trabalhar com os nossos parceiros alemães e já temos cá especialistas a trabalharem connosco. Concretamente, estamos a fazer trabalhos de campo e também de gabinete como forma de implementarmos o Sistema de Informação Geográfica (SIG), implementar um cadastro digital e, como estava a dizer, para iniciarmos com o próprio trabalho de requalificação. Porque achamos, por exemplo, que o Bairros 19 de Outubro, Alto Makhassa ou o Quinto Congresso, são bairros muito extensos que achamos que devem ser requalificados para criar melhor gestão nos mesmos. O que achamos como grandes desafios nestes bairros é o abastecimento de água e estamos a trabalhar afincadamente para dentro deste quinquénio resolvermos este problema. A nossa meta é darmos água a cerca de 90 por cento da nossa população.

Comentários