Director: Gilberto Eduardo, Director-adjunto: Naiene Cauchy

JOGABET

“Não podemos fazer música só para o consumo interno”

As condições para singrar na carreira parecem começar a florescer e Preck insta aos irmãos e colegas de profissão de Inhambane para lançarem as mãos à obra se o intuito é triunfar.

– Eu apenas quero ser um grande artista, ser um espelho e referência para alguns irmãos meus que residem em Inhambane. Estou a mostrar-lhes que tudo é possível, não nos podemos limitar. Temos que acreditar em nós, no nosso potencial e talento. Refiro-me a todos que sonham, não só na música, mas em todos as esferas da vida. Temos que persistir. Meu sonho é ter sucesso, fazer muitas parcerias e cantar com renomados artistas como Cris Brown, entre outros. Isto ainda é o começo, quero agradar aos moçambicanos. Quero que eles se revejam em mim, tantos os que vivem internamente no país como os de fora, aduz, terminando com uma mensagem aos irmãos da “terra”.

– Temos que lutar para conseguir alguma qualidade para daí vir o retorno. A nossa província ainda não dá a visibilidade que se quer a um artista, pelo que, às vezes devemos sair da nossa zona de conforto e ir atrás dos sonhos noutras paragens. Não podemos ter receio de chegar a uma estação televisiva e mostrar interesse em apresentar o nosso trabalho. Não podemos fazer música a pensar só na província, temos que sonhar alto. Temos que fazer músicas e vídeos com qualidade para que as rádios e televisões não tenham receio de passá-los nos seus programas, concluiu.

Comentários